Perguntas e respostas – parte III

Tempo de leitura: 3 minutos

Vocês gostam muito de perguntas e respostas! E nós achamos funcional deixar registrado aqui, para que possamos ter acesso facilmente! São perguntas do Instagram, que foram respondidas em uma LIVE. Se você quiser assistir na íntegra, clique aqui!

Vamos lá?

Quando começar o ensino da leitura?

A criança precisa, desde sempre, ter contato com diferentes suportes e gêneros textuais. Quando eles são bem pequenos, podemos deixar eles manusearem, brincarem, contarem as imagens, recontarem histórias conhecidas. Para discutirmos o ensino da leitura, devemos entender o que este conceito engloba: decodificação e compreensão. Sendo assim, o processo de leitura inicia com crianças bem pequenas, através da compreensão da funcionalidade da escrita (letramento), leituras logográficas e consciência fonológica. Depois, de maneira sistematizada (alfabetização), o processo vai ser realizado no período escolar formal.

Quais gêneros textuais trabalhar no 1º ano?

Tudo depende do currículo da escola, não é uma definição fixa. Devemos estar atentos ao contexto e às necessidades da nossa turma. Os diferentes gêneros podem aparecer em todos os anos do Ensino Fundamental, o que muda é a complexidade com a qual vamos trabalhar. No 1º ano é muito legal trabalhar com a funcionalidade da escrita dos diferentes gêneros. Eles devem ser bem refletidos, trabalhados e produzidos, durante um certo período de tempo.

Qual uma sequência de planejamento para o 1º ano?

Quem define o que ensinar em cada ano escolar são os documentos oficiais do nosso país, como a Base, e os documentos da escola. Assista a essa LIVE e veja umas ideias bem bacanas!

O que trabalhar depois que a criança está alfabética?

Novamente repito: é necessário observar os documentos! Contudo, de maneira geral, é necessário trabalhar com as regularidades da língua, sequência de narrativas, margens e parágrafos, estratégias de compreensão leitora… a meta é torná-los alfabetizados (e não só alfabéticos)!

Memorização é um método ruim?

Trabalhar com memória não é ruim. Existem MUITOS tipos de memória e precisamos entendê-las. O que é sem sentido é decorar algo, só por decorar. Eu preciso entender os processos e aí usar a memória a favor da aprendizagem. As irregularidades da língua, por exemplo, precisam ser memorizadas.

O que fazer com crianças que estão no 3º, 4º ano e não estão alfabetizadas?

Em um primeiro momento, eu preciso entender por qual motivo essa criança ainda não alcançou esse objetivo. É um contexto escolar? Parece ser um transtorno do neurodesenvolvimento? Seria interessante uma avaliação com outros profissionais, a fim de tentar compreender melhor esse aluno. Se a realidade nos impede de pedir esta ajuda, precisamos ir fazendo a nossa parte, trabalhando muito com consciência fonológica, voltando lá para o início do processo.

Como trabalhar com uma turma multisseriada sem deixar ninguém para trás?

As classes multisseriadas não são nosso objeto de estudo e nunca foi a nossa realidade, por isso, achamos um desafio falar sobre isso. Contudo, consideramos impossível fazer atividades totalmente diferenciadas e individualizadas todo tempo. Nessa realidade de sala de aula, podemos estipular dias para fazer essas tarefas específicas, enquanto os outros alunos podem fazer atividades com mais autonomia. É preciso também estudar a filosofia da escola em relação a este tipo de ensino: é assim em função de falta de professores? Ou por que é um princípio da escola? Se for uma escola que trabalha assim por acreditar nessa ideia, não adianta ficar fazendo coisas separadas e “dividir” as classes dentro de sala de aula.

Gostou do conteúdo? Então curte e compartilha! 

Aproveita para seguir a Professora Clarissa nas redes sociais, pois através delas damos dicas diárias para deixar a tua prática em sala de aula mais leve e doce! 

Um Abraço,

Camila Oliveira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *