Ortografia na Alfabetização

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Para muitas pessoas, e por muito tempo, ortografia se resumia em trabalhar o X ou CH, R ou RR… 

Em seguida, veio a época da “ditadura do texto”, quando todas as atividades deveriam girar ao redor da leitura e da produção de textual. Essa visão fez com que deixássemos de ensinar ortografia intencionalmente, achando que a aquisição da escrita ortográfica seria um processo natural, a partir do texto. Mas a questão não é se devemos ou não ensinar (porque devemos, sim!), mas COMO ensinar. 

Ortografia é uma convenção social. Apesar das nossas diferenças linguísticas, todos devemos escrever corretamente, de forma adequada, para que a comunicação seja efetivada (dizer isso às crianças é letramento!).

A Língua Portuguesa é OPACA e TRANSPARENTE, isso significa: 

Transparente: um fonema que representa um grafema 

Opaca: irregularidades 

Para se apropriar destas relações, é necessário um ensino explícito. Para as relações transparentes, é eficiente fazer decodificação, relações de grafema-fonema e trabalhar com consciência fonêmica. Para as relações opacas, é necessário compreender regras, construí-las com os alunos e usar a memorização (como no caso do H no início, por exemplo). 

E qual a diferença entre etapa alfabética e ortográfica?

Na etapa alfabética, as crianças fazem as construções transparentes entre fonema e grafema. Já na etapa ortográfica, os alunos começam a construir, através do ensino explícito, as regras, memorizar palavras e fazer relações. 

Então, o que é prioridade na hora de ensinar ortografia? 

Artur Gomes de Morais nos ensina que “A aprendizagem da ortografia não pode ser confundida com a aprendizagem do sistema de escrita alfabética […]” e não deve ser ensinada, de forma sistemática, através de sequências didáticas, antes que os alunos comentam erros naturais e inevitáveis. Durante a alfabetização, então, podemos trabalhar com as relações que são transparentes. 

Algumas atividades bacanas para que as crianças possam ir se dando conta das convenções da língua, é o trabalho com sílabas tônicas, através da exploração oral das palavras (qual sílaba é mais forte) e também a “transgressão intencional”, quando o professor provoca um erro intencionalmente, a fim de trabalhar a consciência metalinguística. 

 

Atenção! 

Se, mesmo depois de um ensino explícito e sistemático da escrita ortográfica, o aluno persistir em erros que já deveriam ter sido superados, é hora de encaminhá-lo para uma avaliação com uma especialista, fonoaudióloga ou psicopegadoga. 

 

Dicas de livros: 

  • Ortografia: ensinar e aprender – Artur Gomes de Morais 
  • Sistema de escrita alfabético – Artur Gomes de Morais 
  • A escrita ortográfica na escola e na clínica: teoria, avaliação e tratamento – Sônia Maria Pallaoro Moojen 

Quais tipos de erros são normais quando as crianças estão sendo alfabetizadas? O que devemos ensinar sobre ortografia durante a alfabetização? 

Assista o vídeo no YouTube que explica tudinho, é só clicar aqui!

Gostou do conteúdo? Então curte e compartilha!

Aproveita para me seguir nas redes sociais, pois através delas eu dou dicas diárias para deixar a tua prática em sala de aula mais leve e doce!

Um Abraço,

Professora Clarissa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *