O QUE e COMO ensinar matemática na Educação Infantil e no Ciclo de Alfabetização?

Tempo de leitura: 3 minutos

O QUE ENSINAR?

O processo de ensino-aprendizagem, seja ele qual for, não pode acontecer de forma aleatória, é importante que sejam seguidos determinados objetivos para a realidade de cada turma e, a partir daí, criadas estratégias e intervenções efetivas dentro daquele conteúdo.

Caso contrário, estar-se-á praticando a “pedagogia das folhinhas”, em que o professor apenas imprime atividades da internet, uma atrás da outra, sem metas e sem qualquer intencionalidade.

Importante ressaltar que o universo virtual é um excelente aliado que temos, inclusive para nos inspirar e ajudar no dia a dia de sala de aula. O erro está em fazer dessa ferramenta um “copia e cola” sem freio e sem filtro.

Sabe qual é o melhor caminho para saber o que ensinar em cada uma dessas fases? O bom e velho currículo.

Em nível nacional, temos a Base Nacional Comum Curricular (o BNCC), mas também podemos utilizar as variantes estaduais e municipais desse documento. Muitas escolas conseguem, ainda, desenvolver e pensar em um currículo próprio para o seu contexto. Nesse sentido, quanto mais específico, melhor!

No entanto, se a sua escola não possuir currículo, existe uma solução. Vale a pena utilizar alguma das outras opções mencionadas acima para conseguir um norte capaz de suprir essa lacuna interna.

Em um dos nossos posts mais salvos do Instagram, você consegue visualizar o que ensinar de acordo com as especificidades de cada ano escolar. Basta clicar aqui.

 

COMO ENSINAR?

Inicialmente, é fundamental que o professor tenha a consciência de que a matemática não se resume a números. Pelo contrário, ela exige dos alunos habilidades muito anteriores à contagem.

Crianças pequenas não têm a capacidade de abstração que nós adultos temos. É uma questão, inclusive, de desenvolvimento neurológico. Por isso, precisamos dar vivências para que as turmas passem a ter referências que serão utilizadas mais para frente.

Números, por si só, são formas muito abstratas e é papel do professor possibilitar a passagem do imaterial para o mundo físico. O Método Singapura traz, justamente, essa abordagem com o CPA (concreto, pictórico, abstrato).

Isso não significa que as crianças ficarão reféns do concreto, mas serão criadas estratégias para que o abstrato possa ser utilizado de forma adequada. Por exemplo: saber realizar contas mentalmente.

 

EXTRA: MATERIAIS INDISPENSÁVEIS

Uma coisa é fato: os dedos são o nosso primeiro material concreto e podemos utilizar esse recurso sem medo, principalmente na educação infantil.

Nos anos iniciais, os materiais não estruturados são sempre uma ótima pedida. O ideal é utilizar o nosso próprio corpo, massinha de modelar, objetos diversos e qualquer coisa que possibilite a criação de experiências únicas com a natureza.

Considere tirar proveito da corporeidade e da motricidade para produzir uma aprendizagem mais lúdica e efetiva.

Quanto aos materiais estruturados, temos como fundamentais: o material dourado, a escala cuisenaire, o ábaco e as fichas escalonadas.

 

Se você curtiu as nossas dicas e se interessa pelo assunto, clique aqui e conheça o MAP – Matemática na Prática.

 

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá nós damos dicas todos os dias para deixar a sua prática de sala de aula mais leve e doce.

Grande abraço,

Iara Rodrigues

(Texto redigido por Iara Rodrigues e revisado por Camila Oliveira).

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *