Estratégias para o Ensino Remoto

Tempo de leitura: 4 minutos

Reter a atenção dos alunos não é um trabalho fácil. Se nas aulas presenciais já sentimos esta dificuldade, quem dirá nas aulas remotas, onde ainda estamos em busca de estratégias eficientes de ensino. Foi, simplesmente, assim: dormimos em um dia e noutro acordamos professoras que precisavam dar conta de uma modalidade de ensino a qual nunca fomos ensinadas. Nesse sentido, nós queremos te ajudar a levar de forma mais leve toda esta situação que estamos vivendo. Para acalmar o seu coração, nós bolamos aqui algumas dicas práticas, a partir da live da Professora Clarissa com a Professora Carol Mendonça. 

Prepara para pegar essas dicas! 

O presencial NÃO é igual ao online: não tente transportar tudo o que você faz na aula presencial para a aula online! Não vai funcionar. São situações de aprendizagem completamente diferentes, em ambientes e contextos diferentes. Algumas coisas são possíveis de serem reproduzidas, mas nem tudo. Por isso, não se frustre se não der certo. Tente outras estratégias! 

Não se importe com as opiniões dos colegas: às vezes nós pensamos “o que é que vão pensar de mim se eu fizer isto?”. Não deixe com que as opiniões alheias paralisem você. Faça aquilo que você acha que vai ser bacana para os seus alunos – monte um cenário, cante uma música, faça recursos, fantasie-se… Seja o que for que você tiver em mente. Só não deixe de fazer por medo, constrangimento ou vergonha. Se eu, Clarissa, fosse pensar nisso lá no meu início (pensei, mas não me paralisei), nós nem nos conheceríamos hoje! 

Não existe uma receita, você precisa TESTAR: como sempre, não tem receita! Se você entrou aqui, achando que daríamos um passo a passo, sinto muito! Essa situação é toda muito nova, por isso, você deve testar o que funciona ou não. Teve uma ideia? FAÇA! Se funcionar, ótimo! Se não for bacana, apenas não faça mais. Não se esqueça: tudo que for feito deve ter um objetivo, um propósito, uma intencionalidade. 

Não tenha medo de repetir: aquilo que funcionar PODE SER REPETIDO! Não tenha medo de fazer de novo. Repetir não é ruim! 

Desencane: você não precisa ter criatividade todos os dias. Não se cobre tanto. Uma boa sugestão para quem está sem ideias é usar conteúdo pronto! Sim! Tudo que está no YouTube é de uso público. Você só não pode comercializar, mas pode enviar e reproduzir à vontade! Por isso, se você está se sentindo cansada e desanimada algum dia, procure algum vídeo bacana relacionado ao que você quer trabalhar e mande para os seus alunos. 

Seja você mesma: se os seus vídeos são gravados, e não ao vivo, você não precisa fazer mil cortes e edições, buscando fazer uma aula perfeita! Mostre a sua realidade, a sua casa, o seu cachorro, os seus parentes. É disso que os alunos (e as pessoas, no geral) gostam! Naturalidade! Realidade! 

Dar voz aos alunos: o privilégio das aulas ao vivo é a interação. Na modalidade online, você também pode dar voz aos alunos. Peçam que eles mandem um ok, escrevam no chat do aplicativo da videoaula uma hashtag (por exemplo, #entendi). Assim como na sala de aula, o seu aluno quer falar! Então, dê alternativas para que ele faça isso! 

Cuidado com algumas coisas importantes: o nosso cuidado deve estar em dois aspectos bem importantes. Primeiro, em relação ao português – não na questão de falar tudo certinho, até porque temos muitas diferenças linguísticas regionais, mas o cuidado com a ortografia. Ser professora e escrever errado não dá. Se você estiver com dúvida, peça ajuda do Google que ele te dá a resposta em 0,03 segundos. Outra questão para estar atenta é em relação aos nossos discursos. Devemos tomar cuidado para não sermos ofensivas e, se algo acontecer, ter humildade para retomar e corrigir. 

Prepare-se para críticas: os “haters” virão. Não se abale! Mas esteja disposta a repensar e melhorar, se preciso for. 

Acalmar os pais: tranquilize os pais (e a si mesma) sobre a situação que estamos vivendo! Atitudes serão tomadas a nível internacional, pois a situação que estamos vivendo é mundial. 

 

Se você quer saber mais sobre este assunto, temos mais vídeos que podem te ajudar na playlist “Como ensinar na pandemia” – clique aqui.

Gostou do conteúdo? Então, curte e compartilha!   

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá nós damos dicas todos os dias para deixar a sua prática de sala de aula mais leve e doce.   

Abraço,   

Clarissa e Camila  

 

4 Comentários

  1. Avatar

    Curtir muito essas dicas! Neste período de isolamento físico, porque a nível social estamos cada vez mais conectados, ganhamos mais espaços e interatividade com o uso das diferentes plataformas e/ou redes sociais. Agora é vencermos os desafios e avançarmos no conhecimento…

    Responder
    1. Avatar

      Olá, Aiala, tudo bem?

      Que bom que você gostou!
      Continue nos acompanhando, toda semana temos artigo novo aqui no site.

      Abraços, Martha #EquipeClarissaPereira

      Responder
  2. Avatar

    Olá!
    Estou vivendo essa realidade com duas Turmas de Educação Infantil, 5 e 6 anos.
    Esse artigo abordou exatamente os nossos questionamentos e testar com intencionalidade tem sido a minha prática.
    Um dos pontos abordados e que está sendo um diferencial no meu trabalho é a parceria com os pais e responsáveis. Seguindo um conselho dos meus filhos que já são jovens ( 18 e 22 anos) ” Se liga mas não se envolve”. Ou seja, estamos entrando na intimidade alheia, entrando nas casas e precisamos ter o equilíbrio do envolvimento e focar no objetivo: ensino e aprendizagem, nosso alvo é o aluno, sempre.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *