Como realizar uma AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA?

Tempo de leitura: 3 minutos

 Início do ano chegou e MUITAS pessoas têm me feito esta pergunta: como realizar uma avaliação diagnóstica? Então, HOJE, vamos conversar sobre isso. É importante ressaltar que estes “passos” podem ser realizados para qualquer avaliação diagnóstica, seja ela de leitura, escrita, matemática, oralidade, história, ciências e geografia. Para toda e qualquer atividade avaliativa de início de ano letivo, devemos nos fazer o seguinte questionamento norteador: 

O QUE EU QUERO QUE O MEU ALUNO APRENDA ESSE ANO? 

A partir daí, traçamos objetivos a serem alcançados para cada uma das áreas. A sua escola já deve ter um currículo para cada ano escolar, no qual você pode se basear para montar as suas metas. Se não tem, a Base (BNCC) pode ser um bom norteador para começar (não é perfeita, mas já ajuda!). 

Depois das metas traçadas, vamos montar as avaliações diagnósticas. Para isso, precisamos refletir sobre 3 pontos importantes: 

1 – O que é avaliação diagnóstica? 

Trata-se de situações de aprendizagens (que nem sempre são folhas estruturadas e prontas) onde o professor conseguirá observar “onde estão” os alunos e orientar o seu planejamento, pensando para “onde devem ir”. 

2 – Por que avaliar? 

Não avaliamos por nada, sem intencionalidade. Os processos avaliativos são importantes para indicar ao educador as competências e habilidades que os alunos já dominam e as que precisam ser desenvolvidas. A partir daí, o professor pode planejar atividades de intervenção mais intencionais para que os alunos avancem. 

Também se faz relevante avaliar para traçar o perfil da turma e individual. Já conseguiremos observar alunos que tenham possíveis dificuldades. 

3 – Como realizar avaliações diagnósticas? 

Existe um “passo a passo” que pode nos ajudar. Apesar dessa dica, é sempre bom lembrar que cada situação é única, e que devemos sempre usar da nossa sensibilidade de professor para fazer adaptações necessárias. 

– Pensar nos objetivos: currículo da escola, BNCC, minhas metas para a turma. 

– Planejamento: planejar situações de aprendizagem para aplicação dos objetivos, prevendo um período de duração para a avaliação diagnóstica. 

– Reflexão: execução do planejamento e registros (podem ser folhas estruturadas, jogos, situações em grupo…) 

Mas e aí, como são estas ideias, na prática, para turmas de alfabetização? 

Aí vão algumas dicas! 

  • Letramento: o que é lido/escrito em casa e na escola? 
  • Leitura e escrita do nome próprio: jogo da memória do nome com a foto, soletrar o nome, formar nome com letras móveis, colocar os nomes em fichas para que a criança reconheça qual é o seu;
  • Reconhecimento do alfabeto: rodinha com alfabeto de parede ou de bolso, onde as crianças vão colocar as imagens/objetos na letra correta. No caso do alfabeto de parede, as crianças também podem ajudar a colocar na ordem correta;
  • Escrita: através do ditado ou autoditado;
  • Leitura: compreensão por meio de ilustrações, reconto de histórias, ordenação de sequência de imagens;
  • Consciência fonológica: jogos e sistematização com cartelas (rimas);
  • Leitura/decodificação: uso da janelinha/preguicinha. 

IMPORTANTE! 

NÃO confunda REGISTRO DO DESEMPENHO com PROCESSO AVALIATIVO. O registro é o boletim, as notas, as menções… O processo são as observações, planejamento, ações e reflexões (é um ciclo!). 

Encerro com uma bela frase de Morais, Albuquerque e Leal (2009, p.8) que resume este artigo: “precisamos garantir a coerência entre as metas que planejamos, o que ensinamos e o que avaliamos”. Nunca pode ser avaliado algo que não foi ensinado! 

Temos uma live inteirinha sobre este assunto aqui e também um material bem completo que você pode baixar aqui. 

Gostou do conteúdo? Então, curte e compartilha! 

Abraço, 

Camila 

 

4 Comentários

  1. Avatar

    Olá,
    Bom dia!
    Me chamo Ana e sou professora de séries iniciais. Atualmente estou aguardando vaga do processo seletivo, para começar a trabalhar.
    Mas vi suas postagens no Instagram e além de gostar, comecei te seguir e acompanho diariamente suas postagens, ideias e sugestões que seguem, e estou feliz em ver tanta coisa boa e simples que fazem toda a diferença na sala de aula. Às vezes coisas tão simples de entender, e acompanhar o processo de aprendizagem do aluno, que passa despercebido na prática diária, no qual você Clarissa deixa tudo mais leve e suave! Vou parando por aqui e deixando o meu abraço. Obrigada por suas dicas e postagens que fazem toda a diferença pra mim…
    Att,
    Ana Lange

    Responder


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *