Como me tornar uma professora protagonista?

Tempo de leitura: 6 minutos

Professora Protagonista – esse bordão é uma das frases mais marcantes da Professora Clarissa nas suas redes sociais. Se tornou tipo a nossa marca! Muitas professoras buscam o nosso conteúdo com o intuito de exercerem protagonismo na sala de aula. Mas você sabe o que isso significa? 

Ser protagonista significa assumir um papel principal, onde “todas as ações são realizadas por ela ou para ela” (segundo o Wikipédia). Defendemos uma ideia de professora protagonista porque acreditamos em uma educadora que possa ter teoria e ferramentas para fazer as próprias escolhas, definir rumos, escolher metodologias, englobar as necessidades e as realidades dos seus alunos. A professora protagonista não é aquela perfeita, que nunca erra, que é a “sabe tudo”. Pelo contrário, ela assume a essencialidade de trabalhar em equipe, de ter rede de apoio, de buscar novas formações e novos conhecimentos. É uma professora que se considera “inacabada” e que sempre sente necessidade de buscar mais. É uma educadora que coloca os alunos em protagonismo junto com ela, pois a aula é pensada “para eles”, para as individualidades de cada um e para o perfil do grupo. Ela não se deixa dominar por sistemas ou métodos impostos, mas consegue driblá-los, aliando essas “obrigações” ao seu planejamento, que foi pensado, especificamente, para aquela turma. Na sua sala de aula, os livros e as folhinhas não são os atores principais, mas as suas intervenções, suas boas perguntas. Nada é feito sem propósito, sem objetivo; pelo contrário, toda ação tem uma INTENCIONALIDADE por trás. A professora protagonista não trabalha no piloto automático, mas ela é autora do seu próprio fazer docente. 

 

Você se considera uma professora protagonista? Gostaria de se tornar uma? O intuito do nosso conteúdo é incentivar e formar professoras que são autoras da sua jornadaSe este é o seu desejo, clique aqui para saber como e veja as dicas que estão abaixo. 

 

Estude: não tem como ser protagonista sem estudar. Você precisa buscar conhecimento, teoria. Para tomar boas decisões, planejar suas atividades com intencionalidade, saber que intervenções fazer para que o seu aluno avance em um ou outro objetivo… você precisa ES-TU-DAR! Este quesito também se faz necessário no sentido de atualizar-se, renovar suas práticas, envolver-se com outras professoras de outros lugares e trocar ideias. Estudar renova as suas baterias e te dá um novo gás! 

Ter intencionalidade na sua prática: quando fazemos folhinhas e mais folhinhas só por fazer, para preencher o tempo da manhã ou tarde das crianças, não estamos sendo intencionais. Quando digitamos no Google “atividade de…” com o conteúdo que queremos desenvolver, imprimimos e entregamos para a turma, não estamos sendo intencionais. É necessário estudo, teoria e REFLEXÃO para ter intencionalidade por trás da prática. Primeiro, olhamos atentamente para o currículo e para os objetivos que queremos desenvolver. Depois, pensamos nas concepções que estudamos sobre COMO desenvolver este objetivo nas crianças. Por fim, colocamos em prática através de uma situação de aprendizagem. Por exemplo: o meu currículo incentiva as crianças de 1º ano a estarem alfabéticas ao fim do primeiro ano, então eu lembro da psicogênese, dos processos de como a criança aprende e desenvolvo atividades específicas que ajudarão cada nível de escrita a avançar. 

Fazer um semanário: uma ótima maneira de organizar o planejamento é tendo um mapa da sua semana (semanário). Ali você pode distribuir as atividades, o que será feito a cada dia e ir fazendo os reajustes, caso seja necessário. O semanário faz com que você tenha a semana planejada e não tenha que programar as coisas de última hora. 

Caderno de ideias: essa é uma ideia brilhante! Tenha um caderno de ideias para escrever tudo o que vier na sua cabeça, as sugestões que você assistir nas nossas aulas gratuitas de terças e quintas-feiras (clique aqui para ser avisada e participar de todas as aulas gratuitas) ou outras dicas bacanas que você ver na internet. Quando você for planejar, poderá pegar o seu caderno de ideias na mão para encaixar as sugestões maravilhosas no seu planejamento. Assim, você nunca ficará “sem ideias” do que fazer. Anote, também, dicas de livros de literatura! Esse será o seu material de apoio! 

Organize a sala: organizar o ambiente faz parte das ações de uma professora protagonista. Pensar nesse lugar de aprendizagem também exige intencionalidade. Os cartazes devem estar na altura das crianças e devem ser atualizados ao longo do ano. É imprescindível que tenhamos bons livros à disposição destes alunos, com um cantinho de leitura bem aconchegante. Se possível, também devemos ter um cantinho de matemática, com materiais manipuláveis e jogos. 

Deixem os seus alunos exercerem protagonismo também: não precisamos levar tudo pronto. Deixar que as crianças sejam protagonistas diz respeito a não somente elaborar um planejamento pensando nelas, mas oportunizar que elas produzam cartazes, cartelas de bingo, jogos, escrevem na lousa… a professora protagonista incentiva a autonomia dos alunos e deixa eles colocarem a mão na massa, ao invés de dar tudo prontinho. 

Deixe a sua cadeira ficar empoeirada: um desafio para você – tire a sua mesa e sua cadeira da frente do quadro e coloque lá atrás. Deixe a frente livre. Quanto à sua cadeira, deixe criar pó – circule entre as crianças, veja o que elas estão fazendo, esteja presente, disponível e aproveite para fazer intervenções pontuais durante esses passeios pela sala de aula. 

 Tenha materiais nas versões maiores: letras móveis, números, folhas de caderno… o ideal é que você tenha tudo em versões gigantes para mostrar para os alunos. Se você for mostrar uma letrinha pequenininha para o grande grupo, eles não irão enxergar. Se você for mostrar alguma organização no caderno, eles também não conseguirão ver. Por isso, tenha versões ampliadas! 

 Faça boas perguntas: mais importante do que uma boa atividade estruturada (as famosas folhinhas) são as intervenções que você faz durante a realização desta tarefa. Leve as perguntas anotadas, não deixe para ter ideias na hora (porque você pode não ter). 

 Caderno de escrita espontânea: tanto com os alunos menores quanto com os maiores, a ideia de ter um caderno de escrita espontânea é maravilhosa. Trata-se de um caderno onde não haverá correção da professora. Ali, os alunos farão escritas espontâneas de palavras, frases e textos. A ideia é não ir para casa, mas ser um caderno apenas para aluno e professor. As crianças e o educador poderão perceber os seus avanços durante o ano. 

 

Se você deseja ver mais dicas como estas e inúmeros exemplos de atividades, assista à live com a professora Sibiane

 

Gostou do conteúdo? Então, curte e compartilha! 

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá nós damos dicas todos os dias para deixar a sua prática de sala de aula mais leve e doce. 

 

Abraço, 

Clarissa e Camila 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *