4 erros que acabam com a compreensão leitora

Tempo de leitura: 5 minutos

Compreender textos é algo que precisamos fazer a nossa vida inteira. Essa é uma habilidade que deveria ser bem desenvolvida no período escolar, porém, acabamos cometendo erros que, por vezes, não garantem a aprendizagem do nosso aluno. Neste artigo, queremos dividir com você 4 equívocos que cometemos e que podem impedir o nosso aluno de avançar rumo à compreensão de textos. Leia cada um deles atentamente e veja se você está praticandoos. 

 

1 – Não ler 

Parece piada, mas o primeiro erro que acaba com a compreensão leitora é NÃO LER. Exatamente, não ter o hábito da leitura “mata” a sua compreensão. Quem não lê, não desenvolve a habilidade de compreensão leitora. Simples! Um exemplo bem claro seria: se você faz uma aula de dança, pode ser que a coreografia saia bem atrapalhada. Quanto mais você fizer e repetir, mais craque será. 

“Ah, mas eu gosto de ler…”. Gostar de ler é diferente de ter o hábito da leitura. O gosto pelo ler vem a partir da escolha de bons textos, que despertam o interesse. O gosto pelo ler vem a partir do contato com diferentes estruturas textuais, que nos apontam para o funcionamento dos diferentes gêneros. Nós, professores, temos uma responsabilidade social de formar leitores. Neste sentido, retomamos a ideia de alfabetizar letrando; ou seja, considerando as facetas linguística, sociointerativa e cultural, colocando o nosso estudante em contato com os textos que circulam na nossa sociedade e dando sentido para este ler, escrever e compreender. Falamos muito sobre estas facetas dentro do CAP, o Curso de Alfabetização na Prática. 

 

2 – Compreensão leitora só acontece quando a criança está alfabetizada 

Nada pode estar mais equivocado. Aqui acontece aquele erro do 8 ou 80: ou considera-se que a criança que não está alfabetizada também não é capaz de compreender, ou acha-se que os já alfabetizados não precisam mais trabalhar com estratégias de compreensão. 

O tempo de alfabetização começa quando nascemos e só termina quando morremos. Somos leitores em constante formação e precisamos desenvolver estratégias a vida inteira. 

Com crianças que ainda não decodificam palavras, é importante mantermos a prática das contações de histórias. Essa contação pode ser apenas por prazer, por deleite. Não há necessidade de didatizarmos tudo e acharmos que com todo livro temos que fazer perguntas e atividades. Faz parte de criar o gosto e o hábito da leitura o ler por fruição. Escolha bons títulos, deixe-os à disposição. Por que deixar que as crianças só tenham contato com livrinhos simplórios, sem qualidade? Temos medo que eles estraguem? Muito mais duro do que um aluno “estragar” um livro é o professor estragar o seu amor pela leitura, privando-o do contato com bons textos. 

Nós (profes Clarissa e Camila) sempre incluímos um momento de leitura diário em nossas aulas. Tanto um momento silencioso, onde a criança escolhe um livro e o explora individualmente, como um momento coletivo, onde a professora faz uma leitura modelo. Muitas vezes utilizamos até os minutos do lanche para fazer esta leitura. 

 

3 – Separar reconhecimento de palavras de compreensão leitora 

O terceiro erro é desvincular reconhecimento de palavras de compreensão leitora. Sim, crianças que não estão alfabetizadas podem compreender textos, porém, eles devem ser lidos por outras pessoas ou devem ser textos compostos por imagens. 

Mesmo que possuam esta habilidade de compreensão, as crianças que não reconhecem palavras (que não decodificam) ainda não são leitores completos, ou seja, não possuem a capacidade de decodificarem e compreenderem sozinhos. Se colocarmos um texto na frente desta criança, sem a leitura realizada por um sujeito alfabetizado, ela não conseguirá compreendê-lo. Em suma, ler não é apenas decodificar, mas para ler é preciso decodificar. 

Algo muito importante de ser destacado neste tópico, é que textos ruins e pseudotextos (do tipo “Ivo viu a uva”) prejudicam a compreensão. Por isso, destacamos, novamente, a importância do alfabetizar letrando. 

Como boas professoras, precisamos ter cuidado para não ficar só nas perguntas óbvias, que estão claras no texto. Desta forma, as crianças nem precisam compreender, basta fazer um caça-palavras, procurando pelas respostas. Devemos investir em perguntas implícitas, que exijam que as crianças realmente compreendam os eventos que aconteceram, as expressões dos personagens, as “entrelinhas”. 

 

4 – Não planejar e utilizar estratégias de compreensão leitora 

Este erro é muito comum em nossas salas de aula, infelizmente. Achamos que compreender é algo natural, que não exige planejamento. Achamos que as perguntas sobre o texto surgirão na ponta da nossa língua e iremos fazer boas intervenções com a turma. NÃO! 

As nossas perguntas devem ter objetivo, intencionalidade, e não serem feitas ao acaso. Por isso, quando estiver planejando, leia o texto e anote pontos importantes que você queira explorar com os alunos. Dessa forma, “não perdemos nada”. 

Tenha em mente que existem três momentos que precisamos avaliar a compreensão: antes, durante e depois da leitura. Antes da leitura podemos fazer uma motivação, explorar a capa (se for um livro), ativar os conhecimentos préviosfazer previsões sobre o texto (“o que será que vai acontecer? Por que você acha que esta personagem está com este rosto? O que será que este objeto tem a ver? Você já ouviu falar…?”). Durante a leitura também podemos explorar os conhecimentos, ir fazendo perguntas, conversando sobre palavras desconhecidas (“vocês sabem o que é…? O que será que ele quis dizer quando falou…?”). Após a leitura, devemos retomar as previsões (“aquilo que nós achávamos que iria acontecer, aconteceu?”). 

 

Se você deseja ver mais dicas como estas e inúmeros exemplos de atividades, assista à live completa!  

 

Gostou do conteúdo? Então, curte e compartilha! 

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá nós damos dicas todos os dias para deixar a sua prática de sala de aula mais leve e doce.  

Abraço,  

Clarissa e Camila 

6 Comentários

  1. Avatar

    Muito rico em conhecimento e produtivo em nossas aulas. Parabéns pela contribuição.

    Responder
  2. Avatar

    Gostei muito das dicas para formarmos leitores,quero aprender mais,obrigada

    Responder
    1. Avatar

      Olá, Patrícia, tudo bem?

      Que alegria!
      Todas as sextas e segundas-feiras temos artigo novo aqui no site, fica ligadinha!

      Abraços, Martha #EquipeClarissaPereira

      Responder
  3. Avatar

    Bom dia, sou professora do 1ano e vivo todos esses problemas que vc na semana da alfabetização. Sempre busquei o melhor para meus alunos. Trabalho com crianças muito carente e ñ temos recursos também apoio familiar é muito difícil por ser muito curiosa te descobri. O amava fazer antes aparte de agora vou fazer melhor. Gratidão é a palavra.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *