3 passos para fazer uma boa avaliação diagnóstica em matemática

Tempo de leitura: 5 minutos

Em primeiro lugar, quero esclarecer que avaliação diagnóstica, hoje, neste artigo, refere-se a uma avaliação que fazemos em uma perspectiva PEDAGÓGICA. O objetivo desta avaliação não é dar diagnósticos de transtornos, afinal de contas, essa não é uma tarefa do professor. Nossa tarefa é avaliar onde os alunos estão, em termos de aprendizagem, e traçar nossas metas a partir daí.

Como elaborar, então, uma boa avaliação diagnóstica de MATEMÁTICA?

1 – Conheça o currículo: a sua escola possui um currículo próprio ou baseia-se apenas na BNCC? É necessário que você conheça BEM os objetivos e metas do ano escolar para o qual você dá aula, mas também, os do ano que eles estavam. Conhecendo o currículo do ano anterior, você saberá o que já deveria ter sido trabalhado, o que você pode cobrar da turma, bem como os conceitos que eles já deveriam dominar. Conhecendo o currículo do seu ano escolar, você saberá o que deverá ser desenvolvido durante o ano, respaldando o seu planejamento. Sendo assim, se você não conhece o currículo: TEMOS UM PROBLEMA! Peça para a sua coordenação! Se a instituição aderiu a Base, você pode clicar aqui e baixar. Aproveite!

2 – Converse com a professora do ano anterior: este é um ponto muito relevante. Não é à toa que eu coloquei aqui! Precisamos ser PARCEIRAS das nossas colegas professoras. É de suma importância “trocar figurinhas”, saber se, de fato, o currículo foi cumprido, se algo foi deixado para trás, se é necessário uma retomada de algum objetivo, ou até se foi avançado mais do que o esperado. Essa troca também é importante para conhecer o perfil da turma, dos alunos e das famílias (claro, sempre com um olhar bem positivo, animando a colega, hein!).

3 – Quais são os meus objetivos para este ano? Essa é a pergunta que você deve se fazer para pensar na sua avaliação diagnóstica. O que os seus alunos já deveriam dominar para seguir adiante e atingir as próximas metas? Por exemplo, se é um dos objetivos do ano realizar cálculos de multiplicação, é necessário que eles já dominem a adição com bastante propriedade; portanto, você pode avaliar adição.

Outras dicas importantes:

Avaliar para planejar: o objetivo da avaliação diagnóstica não é apenas avaliar por avaliar. Até nisto temos uma intencionalidade! Avaliar serve para nos ajudar a enxergar onde os meus alunos estão e para onde eu quero levá-los.

Avaliar para registrar: além de guiar o seu planejamento, a avaliação também serve como registro do professor. Avaliar é um processo! Sendo assim, fazemos vários registros dos nossos alunos durante o ano. Isso nos ajudará a fazer uma análise de desempenho (bimestral, trimestral ou semestral) mais justa e coerente.

Atividades simples: você não precisa elaborar uma atividade muito complexa. Como nosso objetivo é avaliar a matemática “pura” (e não leitura, compreensão), quanto mais simples os enunciados, melhor. Duas ou três operações de cada tipo que você deseja avaliar também são o suficiente. Muitos cálculos poderão deixá-los cansados e “mascarar” as avaliações, talvez mostrando um resultado pior do que realmente é.

Tenha intencionalidade com a escolha dos números: para não fazer uma infinidade de cálculos, você DEVE ser intencional com a escolha dos números. Se você deseja, por exemplo, avaliar cálculos de adição, pode fazer adições simples (12 + 12 =) e adições com transporte (19 + 18 =). Com os maiores, pode ser realizado da mesma forma, mas com números mais altos. A mesma coisa vale para a subtração. Pode-se pedir algoritmos sem retorno (294 – 123 =) ou com necessidade do retorno (2.001 – 784 = ). Assim, conseguiremos perceber se há dificuldades nas trocas ou não. Se for um perfil geral da turma, pode ser retomado no todo. Se for específico de algum aluno, pode ser trabalhado de maneira individual. Eu mesma já tive um aluno que fazia cálculos enormes de cabeça, mas quando os transportes eram solicitados, os resultados nunca davam certo. Era necessário um reforço neste sentido. O mesmo pensamento serve para os cálculos de multiplicação e divisão. Tenha intencionalidade na escolha dos números e aí não serão necessários muitos cálculos!

O que avaliar em matemática:

Na Educação Infantil e no 1º ano, objetivos importantes de serem avaliados são os que consideram seriação, classificação, princípios de contagem, estratégias de contagem e corporeidade. Se você deseja ideias para avaliar e trabalhar com estes conceitos, você pode clicar nos links abaixo:

Princípios de Contegem – LIVE e artigo.

Estratégias de contagem – LIVE e artigo.

Do 2º ano em diante, também devemos avaliar seriação, classificação, princípios de contagem, estratégias de contagem, acrescentando, ainda, o Sistema de Numeração Decimal, os cálculos e problemas matemáticos. Para estes objetivos, tem muita ideia nos links abaixo:

Sistema de Numeração Decimal (SND) – artigo

SND, adição e subtração com material dourado – LIVE

Multiplicação e divisão com material dourado – LIVE

Ainda devem ser adicionados outros objetivos contemplados pelo seu currículo escolar. Estes são os “gerais” e necessários para um posterior aprendizado da matemática. Para saber mais sobre este assunto, você pode assistir esta live. E se deseja ideias para avaliação diagnóstica em leitura e escrita, assista à esta super live ou leia este artigo.

Gostou do conteúdo? Então, curte e compartilha!

Abraço,

Profª Camila Oliveira

4 Comentários

  1. Avatar

    Como sempre nos proporcionando sugestões maravilhosas, esclarecedoras, práticas e objetivas!!!
    Parabéns pelo trabalho que vocês vêm exercendo! Um verdadeiro comprometimento com a educação! Gratidão que fala!

    Responder
    1. Avatar

      Olá, Aline, tudo bem?

      Muito obrigada pelo carinho! 🥰
      Continue nos acompanhando que toda semana temos novidade aqui no site.

      Abraços, Martha #EquipeClarissaPereira

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *